segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Saudade de mim



Carrego-te
Saudade profunda de mim
Saudade daquela que eu sou
Carrego-te
Saudade profunda de mim
Do cisne negro que me matou.

E lágrimas pálidas brotam de mim
Lágrimas do choro que me deixou
E canto leda assim
O fumo negro que me abraçou.

A quem eu fui renego por mim
Saudade daquela que eu sou
No silencio da noite chamo por mim
Bendito aquele que me matou.

Choro triste é ser assim
Apenas metade do que eu sou
Mais triste ainda é viver sem mim
Aquela que por ultimo te chorou.

Á madrugada escrevo de ti
Versos tristes de quem chorou
O esquecimento vence-se assim
Nas águas calmas de um pensador.

Olho as estrelas e dou por mim
Alguém sabe quem eu sou
És tu que olhas para mim
Aquela que por ultimo te chorou.

Nenhum comentário: